No Sesquicentenário de Pará de Minas, o seu Centenário

PDF 

                                                                                                         Por Ana Maria Campos*

                  Após a releitura temporal que fizemos no texto anterior “25 de março ou 20 de setembro, aniversário de Pará de Minas?”, quando foi concluído que a data da primeira instalação da Vila do Pará, 20 de setembro, foi legitimada como aniversário de Pará de Minas, voltemos no tempo até ao ano da graça de mil novecentos e cinquenta e nove, quando foi comemorado o Centenário do Município. 
                 Para o bom êxito das comemorações alusivas aos cem anos de Pará de Minas, várias comissões temáticas foram montadas, sob a chancela da Prefeitura, na administração do prefeito Dr. Edward Moreira Xavier. Todas as manifestações da inteligência e cultura da comunidade integraram o programa festivo: noites de arte, jogos de basquete e futebol, cerimônias cívicas e religiosas, palestras, jornada médica, exposições industrial e histórica, inauguração de obras, entrega de títulos de cidadania, demonstração de ginástica feminina moderna, audição de coral, baile com a coroação da Rainha do Centenário, demonstração de ginastas masculinos e de cães amestrados, acrobacias da esquadrilha da fumaça, desfile de estudantes e de  carros alegóricos, espetáculo pirotécnico, show em praça pública, coquetel dançante nos salões do Centro Literário, entre outros. Para as crianças foi preparada uma inesquecível rua de recreio na via principal da sede do município até a Praça Padre José Pereira Coelho, que todos já chamavam de Praça da Matriz. A Rua Benedito Valadares, chamada de “Direita”, foi invadida por elas e pelos profissionais da Diretoria de Esportes de Minas que, utilizando-se dos equipamentos que trouxeram, incansavelmente brincavam com as crianças, apoiados irrestritamente pelas valorosas professoras dos grupos escolares da cidade. No Estádio Ovídio de Abreu, popularmente conhecido como Campo Paraense, os alunos ginastas do Departamento de Instrução da Polícia Militar fizeram uma memorável apresentação, seguida por outra com os seus treinados cães pastores alemães. Apropriadamente, algumas palestras versaram sobre a história da nossa terra. Um dos palestrantes, Senador Benedito Valadares, nosso conterrâneo, com brilhante trajetória política iniciada como vereador a Câmara de Pará de Minas, e cujo avô, Dr. Francisco Cordeiro dos Campos Valladares, instalou a Vila do Pará em 20 de setembro de 1859, deixou registrado no livro “Na Esteira do Tempo” (1966: 147-156) a sua fala referente ao Centenário de Pará de Minas, proferida no Centro Literário Pedro Nestor e também no Senado Federal. Ele inicia falando sobre a obra pioneira da construção de Brasília, que no ano seguinte seria inaugurada, passando a seguir a discorrer sobre Pará de Minas. Reproduzo-a na íntegra por sua relevância:
                 "Às vezes, a gente tem vontade de chorar. Não é por causa da dor física, nem tão pouco do sofrimento moral. Aquele que marcha de coração bom pelos trilhos tortuosos de nossas montanhas e atinge os altiplanos, onde o horizonte ao longe se confunde com o céu, não pode deixar de se comover até às lágrimas. E é o mesmo que freia o veículo, que segue a toda velocidade pela avenida asfaltada, e contempla com os olhos umedecidos o monumento a Fernão Dias. A bandeira, o machado e o trabuco, símbolos da esperança e da bravura do velho sertanista, governador da terra das esmeraldas, não podem ser encarados sem se lembrar dos dias sombrios de sua heróica existência. Toda obra de pioneiro toca a sensibilidade pelo sacrifício que encerra. O móvel é discutido. Acham uns que é a ambição em todas as suas modalidades. Outros, o desejo de servir. Somos inclinados a adotar a segunda hipótese. Em certa ocasião, perdoai a narrativa, indo de Sacramento a Araxá, cheguei ao alto do Barreiro. Era ao claro-escuro da ave-maria. De repente o vale, outrora moradia de elefantes e depois de batráquios, surgiu com seus  lagos, parques e edifícios monumentais, inundado de luz. Vendo afinal realizado, com enorme sacrifício do povo mineiro, aquele gigantesco empreendimento no interior do País, em benefício de nossa civilização, fui presa de comoção profunda  e invencível. As realizações dos pioneiros  só serão julgadas com justiça inteira pela posteridade. Assim será Brasília.
                  Mas devo falar é de Pará de Minas e em vez de apontar o futuro, voltar ao passado até 1859. Conviria mesmo fossemos além e percorrêssemos as veredas que iam de Mateus Leme a Pitangui, na faixa limitada pelos Rios Pará e Paraopeba, e assistíssemos ao labor dos faiscadores do ouro. Seria interessante conversar com Domingos Rodrigues do Prado e Mateus Leme sobre as suas esperanças e desenganos. Ou então, penetrarmos com passo firme o domínio da lenda e descermos na residência de Manoel Patafufo, que deu o nome à localidade, ali na rua São José, à margem do Ribeirão Paciência, em frente à linda queda d'água da atual propriedade de D. Zezé Castelo Branco. E estaríamos andando seguros, pois, no dizer de Alexandre Dumas, os palácios cairão em ruinas, as cidades se cobrirão de pé, mas nunca se pode destruir ou enterrar uma lenda. 
                 O que comemoramos hoje, entretanto, é o centenário de Pará de Minas, a partir da sua instalação. Aos vinte dias do mês de setembro do ano do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo, de mil oitocentos e cinquenta e nove, trigésimo oitavo da independência do Império do Brasil, na Sala das Sessões da Câmara Municipal, meu avô, o Dr. Francisco Cordeiro dos Campos Valladares, Presidente da Câmara de Pitangui, instalava a vila do Pará.  Daí prá cá muita coisa mudou, menos o espírito de religiosidade do povo que continua a ser o mesmo professado na Capela de Nossa Senhora da Piedade do Patafufo. Por isso mesmo é feliz. No dizer de Vander Meersch, nem o dinheiro, nem o poder, nem a glória, nem ainda o saber, nada vale se não se tem fé em outra coisa que não é deste mundo.
                Contam-nos que existia nesta cidade um preto chamado Malaquias, homem inteligente e inculto, tronco da árvore genealógica que deu famoso artista, o palhaço Benjamim de Oliveira. Malaquias era orador popular de todas as festas. Em certa feita, a cidade se engalanou para receber seus filhos, os irmãos padre Zeca e padre Silvestre, que acabavam de se ordenar. Na grande manifestação, que então se realizava em frente à casa dos homenageados, Malaquias não se conteve e começou seu discurso: 'Meus Senhores, que horror uma mãe com dois filhos padres!' Risada geral, mas Malaquias não se deu por achado e continuou sua arenga. Estes dois sacerdotes paraenses, admirados e queridos de todo mundo, concorreram de maneira decisiva para a manutenção do espírito profundamente cristão dos habitantes deste Município.
               O povo paraense viveu em torno de sua igreja, e foi na porta da Matriz desta cidade que tive o primeiro contato com a realidade da vida. Aos sete anos de minha idade vim da roça para me matricular na Escola Primária de D. Joaquina Orsini, onde já estava meu irmão mais velho. À noite fomos à reza. Seguiu-se o clássico leilão de prendas. Dentre estas se encontravam diversos pássaros. A meninada irrequieta fazia lances. Meu irmão aventurou trezentos réis e arrematou uma siriema. Ouvindo o seu grito, e sem saber de que se tratava, mas querendo imitá-lo, bradei a todos pulmões: 'oitocentos réis'. Na manhã do outro dia tive a surpresa de ver chegar, na casa em que morava, um pássaro que havia arrematado sem querer e sem dinheiro. Valeu-me a lição, desta data em diante comecei a dar valor à palavra e jamais aventurei lance que não pudesse sustentar.
               Pará teve, nos cem anos de sua existência, trinta e sete agentes executivos, a começar em 20 de setembro de 1859, por Francisco de Assis dos Santos Reo, e a terminar hoje, 20 de setembro de 1959, no atual, aqui presente, Dr. Edward Moreira Xavier. As transformações por que passou, no decurso do tempo, foram numerosas, chegando até, para evitar confusão, a ser crismada com o nome de Pará de Minas. Seu progresso, inclusive industrial, se inscreve no haver de seu povo econômico e trabalhador, mas também se registra no esforço de seus honestos administradores. Não fica bem dizer quem realizou mais; temos de levar em conta a época da execução de qualquer iniciativa. O Serviço de água, com conduto de madeira, do qual se tirava um anel para a bica de cada proprietário, tinha o mesmo valor para os de então, que a atual canalização de água potável. Se naquele tempo as instalações eram deficientes para a população, talvez ainda hoje o sejam, em que pese o esforço dos últimos administradores. Os lampiões de esquina, que clareavam a cidade, produziam o mesmo efeito, no espírito do povo, da luz elétrica que a ilumina agora. Serviço público é uma obra de igreja. O alicerce é difícil; mais penoso ainda o acabamento, que não termina nunca. Todo administrador entra com seu contingente, construindo ou demolindo o que os outros edificaram, para compor de novo. Se não considerarmos o valor dos feitos no tempo e no espaço, poderão, com a transformação que já se prevê, achar, daqui a um século, que a nossa geração pouco fez para o Município. Entretanto, Pará de Minas é uma cidade atualmente provida de quase todos os recursos existentes nas comunas modernas. Dos mais variados meios de preservação do bem-estar, da saúde e do vigor de seus habitantes, cuja inteligência e cultura cada vez mais se aprimoram.
              A sua política foi muito agitada no passado, mas isto nenhum mal fez ao Município, antes lhe trouxe alguns benefícios. No tempo do Império, os partidos Conservador  e Liberal se digladiavam aqui da maneira mais violenta. Contam-nos que, de uma seção eleitoral que se processava na igreja, o político Valico saiu sem uma das abas da casaca. Tendo João Jacinto de Mendonça recebido instruções para propalar que o Partido Liberal também estava armado, achou de bom alvitre reunir eleitores, entregar-lhes armas e comandá-los pelas ruas da cidade. Não deixou de ser útil o expediente, porque os conservadores, diante dessa exibição bélica, se aquietaram. Se o espírito combativo e apaixonado do povo era este, mais realça o gesto de Antônio José de Melo que, diplomado e convocado vereador, fez uma representação proclamando entender que não tinha sido eleito. Feita a verificação, comprovou-se que na realidade vencera Manuel Antônio Moreira dos Santos por pequena diferença de votos. 
             Durante o civilismo a luta política que aqui se travou concorreu para abreviar a construção da estrada de ferro que corta o Município, iniciativa de Torquato de Almeida, auxiliado, assim, de certo modo, por seus adversários. Mais tarde, o movimento político de oposição, iniciado por José Alves Ferreira de Melo, deu um Governador de Estado. É bem verdade que todos os partidos, esquecendo dissensões, concorreram para que isso acontecesse.
            Esta é uma terra feliz: teve sempre bons administradores, notáveis guias espirituais, a começar pelo Padre Paulino Alves da Fé e a terminar no atual vigário, Padre Hugo Bittencourt; justiça incorrupta, desde o dr. Aristides Godofredo Caldeira, passando por Pedro Nestor, cujo nome, como advogado que fui na sua jurisdição, me sentiria mal se não citasse, até os drs. Euripedes Correia de Amorim e Márcio Morais aqui presentes. Escolas com dedicadas professoras e presentemente ótimos sistemas de educação dirigidos por franciscanos e salesianos.
           Pará de Minas é o conjunto de diversas famílias que se entrelaçaram e estão representadas em todas as atividades do Município. Encontram-se pessoas da mesma família no meio operário e no executivo industrial; no comércio, como empregados e empregadores; na lavoura e nas profissões liberais, na judicatura e como representantes do povo no legislativo municipal, estadual e federal. Em resumo, Pará de Minas é uma grande família de trabalhadores. Mas o que mais se admira é que os paraenses procedem como aconselha o filósofo, passam de uma ação social a outra, pensando sempre em Deus."

           As palavras que o Senador Valadares proferiu no Centenário de Pará de Minas são preciosos testemunhos sobre nossa terra, que não podem deixar de serem revisitadas e reabsorvidas, principalmente neste ano do Sesquicentenário.   


*Ana Maria de Oliveira Campos é pesquisadora da história de Pará de Minas.