Cônego Gabriel Hugo da Costa Bittencourt



Há nas montanhas do Oeste
Uma terra altaneira, suave e feliz,
Onde serena e agreste
Toda a natureza encanta e bendiz.
Seus filhos cantam vitória
Trabalham e lutam com ardor varonil
Sempre nimbada de glória
Dos homens ilustres que dá ao Brasil.

Pará de Minas, Cidade Rainha
Vestida de verde, do verde das serras
Doiradas de sol.
Teu peito encerra a fé que é sacrário
De um divo arrebol.
Sinos, teares, entoam festivos
Sublime canção.
És minha terra encantada e feliz
Orgulho do meu coração.

Seu coração não descansa
Trabalha incessante, imitando o tear
Sempre guardando a lembrança
Das velhas cantigas a luz do luar.
E a doce Mãe da Piedade
Escuta dos filhos poemas de amor
Guarda em seu manto a cidade
Que cresce e prospera em virtude e valor.