Restaurado o 4º Livro Ata da Câmara de Vereadores de Pará de Minas

Dia 18, na Câmara Municipal, ocorreu a entrega do serviço de restauração do 4º Livro Ata da Câmara de Vereadores da Cidade do Pará, atual Pará de Minas.

O precioso documento  medindo 41cm X 30 cm, de 402 páginas manuscritas, correspondente ao período de 23.09.1899 a dezembro de 1922 encontrava-se em péssimo estado de conservação. O livro foi salvo do incêndio ocorrido no prédio da Câmara do Pará em 1923. As marcas do triste episódio consumiram a capa; a contracapa estava quase toda consumida pelo fogo; as folhas encontravam-se bastante ressecadas, faltando pedaços e com as bordas escurecidas pela ação do fogo. Com a passagem do tempo, as folhas quebradiças foram soltando-se da lombada, desordenando-se, deteriorando-se, não podendo ser manuseado devido ao risco de suas páginas dissolverem-se durante o processo. A importante documentação foi por nós recolhida do arquivo da Prefeitura onde se encontrava e retirada dos olhares investigativos e curiosos até que conseguíssemos a restauração dele, evitando-se a perda total.

O serviço de restauro foi patrocinado pela Câmara dos Vereadores, na presidência de Carlos Roberto Lázaro, que atendeu à solicitação do Muspam feita a ele em 28 de janeiro último. Com o pedido da restauração aprovado pela Câmara de Vereadores, o livro foi entregue para o Atelier Marca d'água, leia-se Blanche Thaís Porto de Matos, para ser restaurado após o processo licitatório. A assinatura do contrato da Câmara Municipal com o Laboratório de Restauração ocorreu dia 17 de junho de 2015, e o livro foi entregue pelo Museu para a restauradora dois dias após, dia 19, conforme Termo de Entrega e Recebimento assinado entre as partes.

Recentemente, no último 18 de dezembro o livro já restaurado foi devolvido e apresentado aos presentes na Câmara Municipal: presidente Carlos Lázaro, a gerente do Museu Ana Maria Campos, o advogado da Câmara Dr. Antônio Carlos Lucas, funcionários da Câmara e do Arquivo Público Municipal, além da TVI e repórteres das rádios e jornais locais. Após restaurado as folhas que não puderam ser costuradas devido à fragilidade em que se encontravam foram revestidas em papel japonês e acondicionadas em pasta em envelopes avulsos de papel neutro. O restante do livro pode ser costurado e encapado com couro de carneiro. A Câmara elaborou um documento de entrega da guarda do livro ao Muspam até que o Museu da Câmara comece a funcionar, ocasião em que o Muspam fará a transferência do mesmo e dos outros três anteriores, também restaurados pela Câmara, para o local de origem deles. Foram seis meses de intenso trabalho de recuperação do documento, que a partir de agora está disponibilizado para os pesquisadores.

 

Postado em 31.12.2015