Parabéns, Pará de Minas! 150 anos!

PDF 

                                                                    Por Ana Maria Campos*


          1859 – 2009, cento e cinquenta anos se passaram desde aquele 20 de setembro festivo, quando a pequena população do Patafufo assistiu em júbilo a instalação da Câmara de Vereadores e, logo a seguir, a posse de seus primeiros representantes, sendo o Alferes Francisco de Assis dos Santos Reo  o Presidente da Câmara e Agente Executivo, a autoridade escolhida para comandar as primeiras ações para a nova vila que surgia nas Minas Gerais. Esses fatos políticos marcantes, instalação da Câmara e posse dos primeiros vereadores, significaram a elevação de status, de arraial à Vila, ou seja, a independência do Patafufo, cuja área até então era vinculada a Pitangui. 
         Vila do Pará foi o nome escolhido para o novo território autônomo criado, uma homenagem ao rio caudaloso, o Pará, maior rio que banhava suas extensas terras. Daí pra cá muita coisa aconteceu, a começar pelo nome. De Vila do Pará, passou à Cidade do Pará e, já no século XX, o nome do Estado ao qual pertence lhe foi acrescentado: Pará de Minas é a denominação desde 1921.
         A trajetória do desenvolvimento de nossa terra é repleta de significativos melhoramentos que mudaram a paisagem, que a transformaram, juntamente com seu clima, relevo e posição geográfica, no local aprazível que gostamos tanto de viver e trabalhar. Tais melhorias ao serem contextualizadas impedem-nos de apontar qual administrador realizou mais. O Senador Benedito Valadares assim expressou-se sobre o tema, na palestra que proferiu durante as comemorações do Centenário de Pará de Minas: “Não fica bem dizer quem realizou mais; temos de levar em conta a época da execução de qualquer iniciativa. O serviço de água, com conduto de madeira, do qual se tirava um anel para a bica de cada proprietário, tinha o mesmo valor para os de então, que a atual canalização de água potável. (...) Os lampiões de esquina, que clareavam a cidade, produziam o mesmo efeito, no espírito do povo, da luz elétrica que a ilumina agora.” 
         Certo é que Pará de Minas sempre possuiu uma população participativa e atuante; políticos, prefeitos, vereadores, juízes, promotores, empresários e comerciantes notáveis, dignos daqueles que a construíram, e os atuais preparam-na para um futuro promissor.
         Neste ano do Sesquicentenário de Pará de Minas, frequentemente vem à memória a frase do Dr. Pedro Nestor de Salles e Silva, exemplar Juiz de Direito da nossa terra por 36 anos, na inauguração do prédio do Fórum. Adaptando-a, é com ela que desejo e peço ao Criador, que "ampare e guie a população e os gestores de Pará de Minas, e vai nesse pedido todo o nosso amor abrasado por esta terra, boa, tranquila e feliz, que é Pará de Minas, em marcha firme e segura para novos e altos destinos."
        Parabéns, Pará de Minas! Vida longa e feliz!


* Ana Maria de Oliveira Campos é pesquisadora, diretora do Museu Histórico de Pará de Minas. Texto veiculado no jornal “Para Todos”, informativo da Prefeitura de Pará de Minas, em setembro de 2009.