Homenagens à historiadora Ermínia Silva e Juyraçaba Santos Cardoso, neto de Benjamim de Oliveira

Encontro com a historadora Ermínia Silva e Juyçaraba Santos Cardoso, neto de Benjamim de Oliveira, em 29.05.2010
   Foto: Éden Bahia
       
         Dentro da programação do 2º Festival de Palhaços Parabenjamim, promoção da Prefeitura de Pará de Minas/Secretaria de Cultura, aconteceu no Museu Histórico na tarde do sábado, 29 de maio de 2010, em parceria com a Academia de Letras, o Encontro Aberto com Ermínia Silva e Juyraçaba Santos Cardoso, neto de Benjamim de Oliveira. 
         Ermínia Silva, historiadora, autora do livro Circo-Teatro: Benjamim de Oliveira e a teatralidade circense no Brasil (SP: Editora Altana, 2007), adaptação da sua tese de doutorado, recebeu durante o encontro o diploma de Acadêmica Honorária da Academia de Letras de Pará de Minas em virtude de sua tese de doutorado que se transformou no livro sobre o artista conterrâneo Benjamim de Oliveira. Juyraçaba Santos Cardoso, que pela primeira visitava a terra natal do importante avô, também foi homenageado com uma significativa placa. No dia anterior, ambos já haviam recebido homenagens da Câmara de Vereadores do Município pela marcante contribuição à memória de Benjamim de Oliveira.
         Benjamim de Oliveira, 1º palhaço negro do Brasil, nasceu em Pará de Minas em 11 de junho de 1870, na Fazenda dos Guardas. Faleceu no Rio de Janeiro em 03 de maio de 1954. Beijo era o apelido dele, filho dos escravos Malaquias Chaves e Leandra de Jesus. Em 1882 fugiu com o Circo Sotero, iniciando o treinamento de acrobacias com Severino de Oliveira de quem adotou o sobrenome, como é suposto.
         Além de palhaço, Benjamim de Oliveira era ator, cantor, compositor, autor e produtor de peças teatrais. Foi considerado o rei dos palhaços do Brasil. Gravou seis discos pela Columbia Phonograph Co. e foi filmado no Circo Spinelli representando Peri, na peça O Guarani, de autoria de José de Alencar,  pela Photo-Cinematographica Brasileira, em 1908.
         O livro Circo-Teatro: Benjamim de Oliveira e a teatralidade circense no Brasil (SP: Editora Altana, 2007), da historiadora Ermínia Silva, adaptação da sua tese de doutorado, inspirou o samba enredo da Escola São Clemente (RJ), em 2009. Nesse mesmo ano, aconteceu em Pará de Minas o 1º Festival de Palhaços ParaBenjamim e, nas escolas do município foram iniciados vários projetos enfocando a história dele. O nome de Benjamim de Oliveira, desde 1958, também é perpetuado em sua terra natal em uma via pública do Bairro Nossa Senhora das Graças: Rua Artista Benjamim.



Postado em 02.06.2010.